Introdução

        Os adolescentes precisam de dormir, em média, 9 horas por noite. No entanto nem todos seguem estas recomendações e, nestes casos, as saídas à noite e/ou o estudo tardio desregula o relógio biológico que a curto prazo pode ter consequências a nível da concentração, assim como da produtividade, mas também a longo prazo como os distúrbios do sono, hipertensão, depressões, entre outras doenças.

         Também é em época de testes que os adolescentes estão sob grande stress, podendo levar às insónias. Contudo o consumo de cafeína, de nicotina e de álcool, são outros factores que podem levar, também, às insónias. Estas causam alterações de comportamento, provocando a sensação de sonolência, cansaço, falta de energia, falta de concentração e irritabilidade. Isto faz comprometer o desempenho profissional e interfere nas relações pessoais.

            Portanto, a privação do sono pode ter consequências como sonolência, cansaço, aumenta o risco de diabetes, excesso de peso e aumenta o risco de obesidade, aumenta o risco de hipertensão arterial, falta de atenção e concentração, dores de cabeça, insónias e aumenta o risco de acidentes.